Loading...

segunda-feira, 16 de julho de 2012



Seis perguntas comuns que os homens têm sobre beleza

Sexo masculino ainda tem dúvidas sobre tratamentos estéticos e combinações de roupas

Não resta dúvida de que os homens estão cada vez mais vaidosos. O que ainda pode gerar algumas perguntas na cabeça deles é quais são os tratamentos de beleza feitos pelas mulheres que também têm uma versão masculina e quando é hora de arriscar um visual menos básico. "Muitas vezes, os homens deixam de se sentir bem com a aparência por terem incertezas em relação a tratamento estéticos. Depois que essas dúvida são esclarecidas, muitos deles passam a ter mais confiança e qualidade de vida", diz o especialista em dermatologia estética Anderson Zei, da clínica dermatológica Visia. 

Segundo Anderson, a procura por depilação a lazer, técnicas para conter a queda de cabelo e aplicação de enzima botulínica está crescendo muito entre os homens. Confira as dúvidas masculinas mais frequentes sobre esses tratamentos e saiba quando inovar o visual. 
Homem espelho
Fazer tratamentos estéticos pode me deixar com uma aparência feminina?

Homens que estão começando a cuidar mais da aparência podem ficar perdidos com a grande variedade de tratamentos estéticos que existem no mercado. De acordo com o dermatologista Anderson Zei, os homens ainda têm dúvidas se o seu visual ficará muito feminino após um tratamento estético. "Isso é uma pergunta muito frequente. O que os homens precisam entender é que, na maioria dos tratamentos estéticos, o médico leva em conta as características marcantes de cada pessoa, para que ela não perca a personalidade ou fique com um rosto com características destoantes", explica. 
Os tratamentos para mulheres e homens são os mesmos?

O dermatologista explica que os tratamentos são praticamente os mesmos entre os dois sexos. O que muda são pequenos detalhes técnicos para que o médico consiga obter um melhor resultado levando em conta as características de cada tipo de pele e característica física. "Isso não muda só entre os homens e as mulheres. Os bons profissionais levam em conta cada tipo de pele e tipo facial ósseo, por exemplo, antes de fazer um tratamento estético", diz Anderson Zei. 
Homem massagem
As outras pessoas irão reparar muito que eu fiz tratamento? 

Assim como os tratamentos evitam deixar os homens com aparência feminina, eles também são mais discretos no caso masculino. "Os homens normalmente não querem que as pessoas saibam que eles fizeram tratamentos, só querem ficar com a vaidade em dia. Por isso, os tratamentos não são tão evidentes quanto o das mulheres", explica o especialista.  
Existem cremes próprios para os homens? 

Como a pele dos homens normalmente é mais oleosa, mais espessa e mais musculosa que a feminina, o especialista aconselha a sempre procurar um dermatologista antes de comprar algum creme para pele. Na maioria dos casos, os cremes oil free são mais indicados. Mas, como cada um tem uma pele diferente, é importante pedir a ajuda de um profissional. Mesmo com essas características, a pele masculina também deve ser protegida do sol todos os dias. Passar protetor solar com fator 30 ou 50 ainda é o meio mais indicado pelos dermatologistas para não ficar com a pele manchada e evitar, em casos mais sérios, os temidos melanomas. 
É possível combater a queda de cabelo?

Para conter a queda capilar, existem várias opções de tratamento, como terapia fotodinâmica, cremes especiais e substâncias ingeridas oralmente. De acordo com Anderson Zei, muitos homens deixam de procurar ajuda por acharem que a queda de cabelo não tem tratamento, mas eles estão enganados. "Os tratamentos modernos são extremamente eficientes e, em alguns casos, não só diminuem a queda como recuperam fios perdidos. O único ponto negativo é que esse tratamento deve ser feito constantemente, normalmente de quatro em quatro meses".  

Devo arriscar no visual? 


Os homens ainda apresentam algumas dúvidas na hora de escolher a roupa certa. Isso faz com que muitos deles não saiam do arroz com feijão e continuem a optar por um visual mais tradicional. "Não encontrar um visual um pouco mais ousado pode ser um erro tão grande quanto arriscar demais. O importante é nunca colocar mais de uma peça de roupa que chame muito a atenção. Deve haver sempre um primeiro e um segundo plano, senão o visual fica confuso", explica a consultora e professora de moda Tatiana Vianna, do Senac.

Segundo ela, um bom exemplo de erro cometido pelos homens é a combinação de peças de roupas listradas. "Como as listras estão na moda, muitos homens acabam exagerando e usam várias peças com listras. Isso deixa o visual muito carregado. O ideal é optar apenas por uma peça listrada", diz a consultora.

Mulheres sorridentes e homens sérios são mais sexy


Homens se sentem atraídos por sorrisos, ao contrário das mulheres


De acordo com uma pesquisa canadense publicada no jornal Emotion da Associação Psicológica Americana, as mulheres acham que homens felizes são menos sexualmente atraentes do que aqueles que parecem pensativos, ou deixam transparecer que erraram e têm consciência do fato. Já entre os homens, a relação é oposta: eles se sentem mais sexualmente atraídos por mulheres que dão mais sorrisos.

Os pesquisadores reuniram grupos de homens e mulheres e mostraram a eles fotos de pessoas do sexo oposto. Pediu-se aos participantes que citassem suas reações iniciais com base nas expressões que viram e se sentiram algum tipo de atração sexual.

Ao final do estudo, percebeu-se que os homens que sorriam nas fotos foram considerados pouco atraentes pelas mulheres, enquanto para os homens o sorriso foi de longe o fator que mais chamou a atenção.

Os pesquisadores admitem não saber por que homens e mulheres reagem de maneira diferente ao sorriso. Porém, acreditam que, em um homem, o sorriso aberto pode fazer com que ele pareça feminino ou muito desesperado por sexo.

Eles também ressaltam que analisaram apenas as reações iniciais de atratividade sexual. Por isso, não recomendam em hipótese alguma que os homens adotem uma política de não sorrir em relacionamentos de longo prazo.

Diferenças entre homens e mulheres causam brigas entre casais 
De acordo com a psicóloga Marina Vasconcellos, de São Paulo, entender e respeitar as diferenças entre o sexo masculino e feminino pode ser a chave para melhorar a relação entre os casais e evitar conflitos.

Confira alguns exemplos:

1) "Nunca" e "sempre" são palavras que as mulheres costumam usar em suas discussões que o homem não recebe com bons ouvidos, porque as interpretam ao pé da letra e sentem-se ofendidos. Que tal trocá-las por "dificilmente" ou "raramente", "frequentemente" ou "muitas vezes"?

2) Mulheres rodeiam para abordar um assunto delicado, circundando o problema e floreando com detalhes ou coisas não tão importantes até conseguirem tocar no cerne da questão. Esses rodeios irritam os homens, que são objetivos e querem resolver tudo da maneira mais simples e direta possível.

3) Homens têm dificuldade para ouvir quando a mulher vem contar algo que a está angustiando ou preocupando. Eles querem logo achar uma solução, resolver a questão, encontrar uma saída prática, quando elas precisam apenas de um ouvido, um ombro amigo para chorar, alguém para compartilhar suas angústias e simplesmente estar ao lado, nem que seja para não falar nada.

4) Outra dificuldade dos homens é a de ouvir um pedido de sua mulher para que modifique algo em seu modo de agir, pois isso a está incomodando. Esse pedido é ouvido como uma crítica destrutiva a ele como um todo, provocando grandes discussões que seriam totalmente desnecessárias se ele ouvisse apenas o que está sendo dito, sem generalizar para sua pessoa. O mesmo processo pode ser notado nas mulheres, que dificilmente enxergam uma crítica de maneira construtiva. 

5) 
Mulheres não nasceram com a direção espacial muito desenvolvida. Quando consultam um guia de ruas, por exemplo, este vai sendo virado em suas mãos de acordo com o caminho a ser seguido, o que já não acontece com os homens. Aliás, ambos não gostam de palpites quando estão na direção. A história do "eu iria por aqui" não costuma ter finais felizes, é melhor deixar que o motorista erre e corrija depois do que ficar dando palpites enquanto o outro dirige. Essa é uma briga muito comum entre os casais, que tem um poder incrível de estragar o programa que viria depois.

"?Esses exemplos são questões de gênero que provocam brigas desnecessárias entre casais, sendo que todas elas poderiam ser evitadas caso as pessoas tivessem um conhecimento mínimo do jeito de funcionar de cada sexo. São apenas alguns toques para que sua harmonia conjugal não se desfaça por coisas pequenas, que quando somadas, podem virar enormes bolas de neve!", explica Marina.

Três receitas light com o fruto mais versátil de todos: o tomate


Há quem acredite na balela de que o tomate é um legume, mas muito se engana quem acredita. Da mesma família do pimentão e da berinjela, essa delícia foi cultivada durante muitos anos pelos povos incas,astecas e maias antes de chegar a Europa.
Ingrediente muito conhecido do Velho Mundo (antes das navegações), ele é rico em licopeno e contém vitamina C,A e B. Ao comprá-los, escolha os mais maduros, pois terá uma maior concentração destes nutrientes.
Existem muitos tipos de tomates por aí, por isso resolvi deixar com vocês algumas receitas bem simples com tomates de vários tipos. Detalhe bem importante e muito interessante é que o tomate além de ser rico em vitaminas, tem baixa caloria. A cada 100g, apenas 14 calorias. Veja as receitas
SOPA LIGHT DE TOMATE (2 porções)
Sopinha leve e deliciosa. (Foto: iStock)Ingredientes para 02 porções:
  • 04 tomates italianos bem maduros
  • 01 xícara de cebola sem casca em cubos grandes
  • 01 dente de alho sem casca
  • Manjericão verde a gosto
  • Sal e pimenta a gosto
  • ½ xícara de chá de azeite extra virgem
  • 100g de ricota fresca em cubos pequenos
  • 02 fatias de pão de forma integral sem casca
Modo de Preparo:
  • Em uma panela, coloque parte do azeite e doure a cebola e o alho.
  • Adicione os tomates, sal e pimenta e deixe cozinhar em fogo médio com a panela tampada por 15 minutos.
  • Não coloque água, pois a cebola vai soltar água e o tomate também.
  • Mexa de vez em quando. Assim que o tomate estiver bem molinho, coloque o manjericão e leve ao copo do liquidificador.
  • Bata bem em velocidade média até o tomate virar um purê, o mais liso que puder, colocando o restante do azeite.
  • Volte ao fogo, corrija o tempero e reserve.
  • Disponha a ricota nas fatias do pão, tempere com sal e pimenta e leve ao forno 200C por 5 minutos.
  • Finalize com salsa ou manjericão picado.
  • Coloque a sopa em cumbucas e mergulhe a torrada de ricota cortada na sopa. Vai ficar uma delícia!
MINI TORTA DE TOMATE CEREJA E MINI RÚCULA (4 porções)
(200 calorias cada)
Tortinha maravilhosa. (Foto: Thinkstock)Ingredientes:
  • 02 xícaras de farinha de trigo integral
  • 02 colheres de sopa de óleo
  • 02 colheres de sopa de água morna (aproximadamente)
  • 08 tomates cereja cortados ao meio
  • 02 colheres de sopa de azeite extra virgem
  • 01 dente de alho picado
  • 100g de ricota em cubos
  • Mini rúcula a gosto ou rúcula picada
Modo de preparo:
  • Em um recipiente misture a farinha com a água e o óleo Vá mexendo até formar uma massa lisa. Jogue a água aos poucos. Adicione sal a gosto.
  • Coloque a massa dentro das forminha para torta e asse em forno 180c por 20 minutos.
  • Em uma vasilha misture os tomates com o alho e a ricota.
  • Coloque sobre as tortinhas o azeite, em seguida acrescente o tomate temperado e leve ao foro 180c por 6 minutos. Finalize com rúcula mini ou a rúcula picada
PETIT GATEAU LIGHT DE TOMATE ASSADO (rende 6 porções)
Ingredientes para a massa:
  • 03 ovos
  • 60g de farinha de trigo
  • 100g de parmesão
  • 200ml de creme de leite
  • Sal e pimenta a gosto
Recheio:
  • 06 xícaras de tomates em cubos pequenos
  • 02 colheres de sopa de azeite extra virgem
  • 01 xícara de chá de cebola picada
  • 02 dentes de alho picados
  • Manjericão a gosto
  • Sal e pimenta a gosto
Modo de preparo para massa:
  • Aqueça o leite e o parmesão em fogo médio. Bata os ovos como se fosse para uma omelete.
  • Fora do fogo, misture com um batedor a farinha com o leite, acrescente os ovos batidos e tempere.
Recheio:
  • Em uma panela refogue o alho e a cebola no azeite. Acrescente os tomates e deixe murchar.
  • Tempere com manjericão a gosto, sal e pimenta.
Montagem:
  • Unte e enfarinhe 06 forminhas para petir gateau, encha cada forminha até a metade com a massa, divida o recheio em partes iguais e finalize com outra camada de massa.
  • Asse em forno pré-aquecido 180g por 20 minutos. Sirva em seguida!

Perder peso por meio de uma dieta saudável pode eliminar sintomas da menopausa


Um estudo publicado no periódico Menopause aponta que a perda de peso decorrente de uma dieta com baixo teor de gorduras e rica em frutas e vegetais pode ajudar a reduzir ou eliminar os sintomas da menopausa, como ondas de calor e suores noturnos. A análise foi realizada peloKaiser Permanente Division of Research, nos Estados Unidos.
Os autores descobriram que as participantes que emagreceram pelo menos 4,5 quilos - e que não faziam terapia hormonal - diminuíram ou simplesmente deixaram de ter sintomas típicos da menopausa. A dieta dessas mulheres foi apontada como sendo mais rica em cereais integrais, frutas e vegetais.A pesquisa contou com a participação de 17.473 mulheres com idades entre 50 e 79 anos. Todas foram acompanhadas durante cinco anos. Segundo os autores, este é o primeiro estudo que relaciona o emagrecimento à melhora dos sintomas da menopausa.
Uma possível explicação seria o fato de a gordura corporal poder dificultar a perda de calor. Nesse caso, o organismo tenta baixar a temperatura por meio das ondas de calor e do suor. Por isso, é fundamental que a perda de peso seja a perda de gordura e não a diminuição da massa magra.
Muitas mulheres sentem ondas de calor e suores noturnos antes ou depois da menopausa, devido ao declínio dos níveis de estrogênio no organismo. Embora o mecanismo ainda não tenha sido completamente compreendido, acredita-se que interações hormonais têm alguma influência sobre a região do hipotálamo do cérebro, que regula a temperatura corporal e controla as glândulas sudoríparas, entre outras funções.

Alimentos que amenizam os sintomas da menopausa

Ondas de calor, suores noturnos, ganho de peso, insônia e irritabilidade são sintomas característicos do período da menopausa, mas podem ser combatidos com os seguintes alimentos:
1. SojaA soja é rica em isoflavonas, um fitoquímico capaz de atenuar os sintomas do fim da fertilidade por participar da produção, do metabolismo e da ação dos hormônios sexuais. Assim, as isoflavonas atuam como substituto do estrógeno, hormônio que sofre declínio durante a menopausa.
2. SalmãoAlimentos ricos em magnésio, como o salmão, o atum, nozes, castanhas e amêndoas, também são essenciais no cardápio de quem está na menopausa. A deficiência deste mineral no organismo resulta em fadiga e carência de enzimas envolvidas na produção de energia, sintomas comuns nesse período.
3. Sardinha e aveia
Estes alimentos são ricos numa substância chamada coenzima Q10, antioxidante envolvido com o processo de produção energética no nosso organismo. Naturalmente, o nível de coenzima Q10 diminui com a idade e sua suplementação aumenta a energia, reduz a fadiga, fortalece o sistema imunológico e até melhora a textura da pele.
4. Chá branco
Para reduzir o ganho de peso típico do período da menopausa, nada melhor do que o chá branco. Rico em catequinas, ele tem um efeito antioxidante que potencializa o funcionamento hepático, eliminando toxinas do organismo e acelerando o metabolismo basal, que auxilia no controle do acúmulo de gordura visceral.
Perca 15 kg
Fazer dieta não deve ser sinônimo de sacrifício. Inspire-se nesse cardápio para alcançar a silhueta desejada
Para perder bastante peso, modificações na alimentação  e no modo de vida trazem resultados em pouco tempo. Então, experimente estas estratégias:

1-  Churrasco, só com o estômago forrado. “Se quiser arriscar, parta para a carne depois de limpar um prato de folhas temperadas com sal, limão e um fio de azeite”,recomenda  a nutricionista Cristiane Ruiz Durante, de São Paulo. Alterne a picanha e a linguiça com espetos de frango e legumes para driblar a gordura.

2- A ordem é gelatina diet pronta na geladeira. Com menos de 10 calorias por taça, sossega a vontade de doce. Varie: faça uma parte com pedacinhos de frutas in natura ou desidratadas, como damasco e uva passa; ou bata a gelatina pronta com um pote de iogurte light, para fazer as vezes de musse; ou substitua metade da quantidade de água da receita por um pote de iogurte desnatado, bata tudo no liquidificador e leve para gelar – fica espumante e levíssimo.

3- Vá de pão integral em vez de branco. Essa troca, segundo pesquisadores da Universidade de Rhode Island (EUA), ajudou 180 adultos a emagrecer em seis meses. “A explicação está nas fibras, que saciam e fazem que o carboidrato leve mais tempo para ser transformado em açúcar no sangue, o que previne a gula”, explica a nutricionista Cynthia Antonaccio.

4- Embarque no programa volumetrics. Criado pelo departamento de nutrição da Universidade da Pensilvânia (EUA), o estudo aponta que a gente come primeiro com os olhos. Por isso, sugere alimentos pouco calóricos mas que encham o prato para dar a sensação de que você está comendo muito. Adicione legumes e verduras cortados em tiras grandes e largas às carnes e massas; prefira macarrão parafuso, penne ou gravatinha em vez de espaguete e use mais claras do que gema de ovo na omelete.

5- Sopa de legumes pronta. “Aprendi com o Vigilantes do Peso e foi essencial para eu perder 15 quilos em quatro meses. Tomo um pratão de sopa quando chego em casa para amansar a fome e comer menos no jantar. Às vezes, dispenso até o prato principal”, diz a administradora de empresas Ana Carolina Cancoro Kammerer, 31 anos, de São Paulo.

Cardápio para perder 15 kg
Este cardápio ajuda a perder entre 0,5 e 1 kg por semana. “Caprichei nas proteínas magras, fibras e frutas in natura e desidratadas, para controlar a vontade de comer”, conta Marilize Tamanini.

Dia 1 
• Café da manhã: 1 xícara (chá) de café com leite desnatado + 2 fatias de pão de fôrma light integral com ½ Polenguinho light + 1 banana
• Lanche da manhã:  1 caixa de água-de-coco + 1 barra de cereais 
• Almoço:  ½ prato (fundo) de salada de alface com tomate, cenoura crua ralada e pepino temperada com 1 colher (sobremesa) de azeite e limão + 4 colheres (sopa) de arroz integral + ½ concha de lentilha + 1 posta de salmão com alcaparra assada + 1 pires (chá) de abobrinha refogada
• Lanche da tarde: mix com 12 uvas passas, 8 castanhas-de-caju e 10 avelãs 
• Jantar: 1 pão sírio grande com alface, tomate, broto de feijão, 2 fatias de peito de peru, 1 fatia de mussarela light e 1 colher (sobremesa) de azeite 
• Ceia: 1 copo de suco à base de soja light.

Dia 2• Café da manhã: 1 xícara (chá) de café com leite desnatado + 3 torradas integrais com creme de ricota + ½ papaia. 
• Lanche da manhã: 1 pêssego + 1 pacote individual de biscoito integral salgado 
• Almoço: ½ prato (fundo) de salada de couve com tomate-cereja, rabanete, cebola e ½ concha de grão-de-bico temperada com limão e azeite + 3 colheres (sopa) de purê de batata + 1 filé de frango grelhado + 1 pires (chá) de acelga refogada 
• Lanche da tarde: 3 damascos + 4 nozes + 10 pistaches 
• Jantar: 1 fatias de pão de fôrma integral light com rúcula, tomate, 3 colheres (sopa) de frango desfiado, 1 fatia de presunto magro, 2 bolinhas de mussarela de búfala e 1 colher (sobremesa) de azeite 
• Ceia: 1 pote de iogurte com 0% de gordura.

Aposte na aeróbica + musculaçãoA dupla de atividades potencializa a queima de gordura e evita a flacidez – comum nos casos em que é preciso perder muito peso. Para não se machucar ou querer desistir, comece com um treino leve dividindo a semana da seguinte forma:
• Segunda, quarta e sexta-feira: faça 30 minutos de uma atividade aeróbica que você goste, como bicicleta, natação ou hidroginástica. 
• Terça, quinta e sábado: faça o treinamento de força a seguir que contempla os grandes grupos musculares.

1. Abdominal Deitada de costas, joelhos flexionados, pés a alguns centímetros do chão, mãos na nuca. Com os pés suspensos, eleve o tronco e volte à posição inicial. Faça duas séries de 12 a 15 repetições.
2. Agachamento contra a parede Em pé, costas apoiadas na parede, pernas paralelas na largura dos quadris, braços estendidos ao longo do corpo. Flexione os joelhos até as coxas ficarem paralelas ao chão e mantenha a posição por 20 segundos. Faça uma vez.
3. Supino reto Deitada de barriga para baixo, costas retas, pontas dos pés no chão, braços estendidos na linha dos ombros, mãos na altura do peito apontadas para frente. Flexione os cotovelos aproximando o queixo do chão e volte à posição inicial. Faça duas séries de 10 repetições com intervalo de 30 segundos entre elas.
4. Agachamento a fundo Em pé, pernas paralelas na largura dos quadris, braços estendidos ao longo do corpo, mãos segurando halteres com os dedos voltados para dentro. Dê um passo largo à frente com a perna direita, deixando o joelho direito em 90º e o esquerdo próximo ao chão, e volte à posição inicial. Faça 10 repetições com cada perna.
5. Rosca direta De pé, pernas unidas, braços estendidos ao longo do corpo, palmas viradas para fora e um pesinho de 1 a 2 kg em cada mão. Levante os halteres até os ombros, sustente por um segundo e volte à posição inicial. Faça duas séries de 10 repetições com intervalo de 30 segundos entre elas.

Falando tudo Sem segredo


Como você se comporta entre quatro paredes? Dá, literalmente, o seu melhor ou fica esperando que o gato faça tudo sozinho? Para ajudar você no caminho certo do prazer, UMA revela como é a mulher boa de cama (segundo eles, é claro!)

Fique de olho nos comentários dos mais diferentes tipos masculinos quando o assunto é sexo:

“Se a mulher beija gostoso, com certeza ela é boa de cama. As melhores parceiras sexuais também valorizam as preliminares. Na hora do sexo, todo homem gosta da mulher que vai além do que se espera.”
VITOR MONTEIRO, 34 anos, personal trainer

“Adoro ouvir sacanagens. Por isso, além de ser absolutamente despudorada, a mulher boa de cama tem
de me deixar saber o que está acontecendo: se está gostando, o que quer que eu faça... Nada mecânico e nem com roteiro, tudo na medida do prazer.”
EVERALDO TAVARES, 32 anos, analista de sistemas

“Em primeiro lugar, não deve ter paranoia com o corpo porque gosto de transar com as luzes acesas. A cada peça de roupa tirada, ela tem que se liberar mais... Não pode ter tabu sexual e nem limite.” PEDRO HENRIQUE, 30 anos,
projetista mecânico

“Atitude é tudo na cama! Sem essa de esperar, de pensar demais, tem de deixar a imaginação fluir e agir... O homem gosta de mulher com pegada, desinibida. Adoro as que conhecem o próprio corpo, que têm certeza onde estão pegando, beijando, acariciando... Investir nas preliminares é importante. Por isso, ela deve conhecer bem seu parceiro – ou, pelo menos, tentar desvendar os ‘segredos do corpo masculino’. Não tem como resistir a uma mulher assim...”
TADEU LOPES, 28 anos, estudante de comércio exterior

→ JOÃO PAULO MANTOVANI, 32 anos, apresentador do quadro Toda Mulher É Uma Diva, do programa Ana Hickman
"Mulher boa de cama é aquela que se entrega sem pudor. Tudo começa no beijo, e a segunda confirmação vem na escolha da lingerie. Isso aguça o imaginário masculino. Eu prefiro conduzir a transa, mas é importante ter atitude, entender a linguagem do olhar, dos corpos... E, se ela tiver uma fantasia diferente na hora do rala e rola, pode sim ser inesquecível.”

“Conduz a transa, grita, geme... Sugere posições. Mulher boa de cama sabe o que a faz ir ao orgasmo e levar o parceiro junto.” HERBERT NEIVA, 30 anos, Dj

 “Depende da performance. Ela tem de topar tudo, a ponto de ‘quebrar a cama’, me deixando sempre em ponto de bala.‘Mulher estátua’ – que fica parada durante a transa – eu dispenso.” EDU RAMALHO, 29 anos, empresário

“Gosto de mulher que apimenta a transa com fantasias e objetos eróticos. A boa de cama topa tudo entre quatro paredes. Se preocupa com o próprio prazer e com o tesão do parceiro. Beija, abraça, inova... Essa é a mulher dos sonhos.”  MARCELO DA GRAÇA, 31 anos, fotógrafo

“Gosto de mulher escandalosa, fogosa. Boa de cama é a parceira que topa tudo em cima e fora da cama. Antes e depois do orgasmo.” JÚLIO PEREIRA, 39 anos, engenheiro

“Não curto mulher que resume sexo ao tradicional ‘papai-e-mamãe’. Para ser boa de cama, a pegada é outra. A parceira precisa se dar de corpo e alma, estimulando o tesão que estou sentindo.” ADALBERTO TAVARES, 32 anos, empresário

“É a que sabe seduzir visualmente com uma bela lingerie. Ela se despe com sensualidade e, na hora do ato sexual, se mostra uma mulher capaz de subir pelas paredes, estimulando o parceiro a um orgasmo inesquecível.” THIAGO MUNIZ, 26 anos,  publicitário

“A sedutora, exibicionista... Gosta de muita sacanagem, de sexo selvagem. Conduz a transa, dita as regras do ‘jogo’... E o resultado nunca pode ser 1 X 0!” AQUILES GOMES, 28 anos, designer de interiores

“Cansei de sair com mulherões que na hora ‘H’ ficaram a desejar, me esperando fazer tudo. Outras, porém, nem tão bonitas, me enlouqueceram na cama. Ela é inteligente o suficiente para saber que não é só a penetração que faz o homem subir pelas paredes.” RUBENS MARTINS, 37 anos, comerciante

“Hummm... Ela libera o tesão e o prazer por meio das palavras. Não sinto tesão com mulher que transa calada. Quero que ela diga o quanto está curtindo, sentindo, querendo... Gosto de sentir cada parte do corpo dela em movimento, as mãos me acariciando, os lábios me pedindo mais.” NANDO DIAS, 31 anos, promoter

“Safada, quente, gostosa... Na hora do sexo, as palavras – literalmente – dizem tudo, por isso, os sussurros sacanas fazem obrigatoriamente parte da transa. Gosto de mulher que conduz com gestos e palavras.” GERALDO BRAGA, 26 anos, bancário

“Odeio ir para cama com mulheres cheias de frescura. Muitas nem conhecem o próprio corpo... Gosto das que vão além da imaginação e conhecem realmente as ‘necessidades’ do corpo masculino: não preciso pedir, mandar ou obrigar, apenas realizar!” EDUARDO CUNHA, 28 anos, músico

→EUGENIO PALAZZI, 42 anos, advogado "Todo homem gosta de ver uma mulher bem-vestida, bem-arrumada, ainda que seja para despi-la. Existem calcinhas tão excitantes que não dá nem vontade de tirar... Queremos mulheres ousadas, liberais, que saibam tirar proveito de uma relação sexual sem pudor – que façam de tudo e que falem sobre o que gostam, que peçam o que curtem na hora da transa. Prefiro uma parceira bem-resolvida, uma verdadeira cúmplice na cama.”

“A que não se limita a fechar os olhos e apenas receber prazer. Fala palavrões, mas não é vulgar. Respira no meu ouvido para que eu sinta as suas vibrações.” DIEGO VASCONCELLOS, 33 anos, empresário

“Tem que impressionar, tomar iniciativa, ser fogosa. Fazer sexo com vontade, com tesão. Expressar no olhar o que está querendo, sentindo... Quer mais, sempre mais...” JOÃO DANIEL, 34 anos, empresário

“É a minha namorada: carinhosa, cheirosa, sedutora, bem-resolvida. Ela me faz gozar várias vezes numa única transa. Sempre aconselho as mulheres a conhecer o corpo masculino. Devem saber onde colocar a boca, passar a mão...” WILLIAN OLIVEIRA, 31 anos, analista de negócios

“É a que se despe de corpo e alma – não só das roupas como também dos pudores.” BRUNO GONÇALVES, 28 anos, estudante de engenharia agronômica

“Chega dominando, enlouquecendo o parceiro já nas preliminares, toma conta da situação, surpreendendo: tudo sem pressa, sem tabu e sem limite.” SÉRGIO VARGAS, 25 anos, músico

“Ela não se limita nem se intimida, está ali pra fazer e pedir o que quiser e tiver vontade. No entanto, atenção: na hora de escolher a lingerie, saiba que nenhum homem se excita ao dar de cara com uma calcinha gigante, que mais parece da sua avó!” LUCIANO PEREZ, 37 anos, motorista

“Não pode ser uma mulher fresca, daquelas que brigam porque dei um tapinha ou puxei o cabelo. Tem de entrar no clima, curtir as preliminares e, depois, partir para a melhor parte. Sexo é uma dança, e, se ela não acompanhar o ritmo, é melhor sair da pista, quer dizer, da cama.” LUIZ EDUARDO, 29 anos, webdesigner

“Tem de estar em sintonia com o parceiro: saber beijar gostoso, acariciar, tomar iniciativa, instigar... Tem de chegar junto, ter atitude, conhecer o próprio corpo e conhecer os ‘pontos fracos’ do amante.” CLEYTON FAELLA, 25 anos, estudante de medicina

“É aquela que não se intimida no primeiro encontro. Sabe muito bem o que quer. Ela precisa ser carinhosa e, ao mesmo tempo, selvagem nos gestos e nas palavras. Saber ser objetiva e tomar a iniciativa na hora certa.” LAERTE TOURINHO, 24 anos, jornalista

“Às vezes, as tímidas tornam-se selvagens. Já me encontrei com mulheres descoladas, mas que, na cama, foram péssimas – se deitaram esperando que o mundo viesse a seus pés. Digo que a boa de cama é a que dá o que você menos espera...” SÉRGIO MARANHÃO, 25 anos, promoter

“É aquela que transpira sexo, que só de olhar deixa o homem cheio de tesão. Mulher boa de cama não espera, ela faz, dá as ordens, implora pelo próprio prazer e deixa o homem explodir de tesão na hora que ela quiser.” BRENO GUERRA, 28 anos, personal trainer

“Ela beija gostoso, é carinhosa, mas sacana ao mesmo tempo. Valoriza as preliminares e leva o parceiro às nuvens. É a mulher que sabe se posicionar.” HUGO FONSECA, 36 anos, engenheiro ambiental

“Boa amante assume a responsabilidade pelo prazer dela e poupa um bom tempo que seria gasto com adivinhações. Sabe exatamente o que a faz chegar lá e como fazer o parceiro gozar.” ANDRÉ RIBEIRO, 32 anos, empresário

→JOÃO PAULO RÖSLER, 28 anos, estudante de  engenharia agronômica "A lingerie é a arma que garante: ela está pronta para atacar. Deve conhecer o seu poder de sedução e descobrir os ‘pontos fracos’ do parceiro para garantir o bom desempenho. Criatividade nunca é demais:  pode criar um clima de sedução para as preliminares com uma luz de baixa intensidade – se for vermelha é porque o incêndio vai ser grande – e música para uma performance prévia, uma dancinha para alimentar a fantasia. Só não garanto esperar a música acabar... ”

“É a experiente, exigente. Não tem tabus e mostra nas palavras e nas atitudes que não está na cama para dormir. Esse é um capítulo à parte...” LUCKAS COCETI, 27 anos, dentista

“Com certeza, é a mulher fogosa. Ela tem de ter a autoestima lá em cima para deixar o parceiro excitado. Sabe que é gostosa, adora sexo e confia na sua performance.” PAULO HENRIQUE, 30 anos, engenheiro ambiental

“Tem de saber que carinho é bom e que um tapinha não dói. Tem que deixar puxar o cabelo também, sem se preocupar com a chapinha ou com o aplique...” BETO PORTO, 25 anos, modelo

“Mulher boa de cama é a que tem atitude. Usa e abusa da imaginação na hora do sexo, sem vergonha e sem medo de ser feliz.” LUIS CARLOS, 34 anos, publicitário

“Acho que ela é o reflexo do homem que tem. Se a química for boa, não tem como a transa não ser inesquecível. O cara tem de estimular a mulher para, a partir daí, ela entrar em sintonia.” REYNALDO SANTANA, 33 anos, empresário

“Sem sombra de dúvida, é a que satisfaz o seu parceiro e chega ao orgasmo porque conhece o próprio corpo e os pontos certos para fazê-lo gozar.” ANTÔNIO CELSO, 28 anos, empresário

“Ela deve estar presente no ato e não resumir a transa apenas à penetração. Deve saber conduzir o momento do prazer.” LUCIANO PASSOS, 26 anos, analista de sistemas

“Gosto de mulheres que escondem o jogo... Inicialmente, são recatadas, tímidas, manhosas, mas, na cama, um furacão. A ideal para mim é a que estimula os meus desejos mais secretos.”  ALEX MARANHÃO, 29 anos, jornalista

“Tem de ser quente, ter atitude e saber fazer tudo no seu tempo certo, provocando arrepios – uma expert na arte da sedução. Pode ser escandalosa e recatada ao mesmo tempo, mas tem que surpreender sempre!” CÁSSIO NOGUEIRA, 32 anos, economista

“Sensual, romântica, conquistadora, ela vai preparada para a cama, com uma bela lingerie, cheirosinha e cheia de tesão...” SÉRGIO BRAGA, 29 anos, professor de inglês

“Cria o clima para tudo ser prazeroso antes e depois da cama: um jantar romântico, um banho gostoso e muitas preliminares para esquentar.” ISAAC MATTOS, 29 anos, veterinário

→ARNALDO RODRIGUES, 34 anos, modelo/barman "A amante inesquecível é aquela que não tem tabu. Ela precisa ser cheirosa dos pés à cabeça, ter bom gosto na hora de escolher a roupa íntima e saber valorizar as preliminares. Na ‘hora H’, deve colocar para fora todas as sensações, sem vergonha. Homem adora ouvir suspiros, sussurros, tudo o que a parceira está sentindo. Mas o importante é você estar feliz com a pessoa que ama e te completa – e se encaixa! – de todas as maneiras.”

“Mulher boa de cama tem a autoestima lá em cima. Ela não tem vergonha do próprio corpo, é segura e não tem pudor.” CHRISTIAN LUIS, 31 anos, sommelier

“É a mulher que não reprime seus desejos sexuais e me surpreende sempre, tomando iniciativas e me deixando enfeitiçado esperando pela próxima vez...” MARCELO RAMALHO, 29 anos, farmacêutico

“Liberal, cheirosa, envolvente... Sabe exatamente o que quer e, por isso, toma a iniciativa em busca do prazer. Deve ser desencanada, quebrar tabus e revelar que vale tudo.” RODOLFO FERNANDES, 30 anos, guia turístico

“Meiga e um furacão ao mesmo tempo. Ela deve ir preparada para a cama com uma bela lingerie e cheia de segundas intenções... Isso já me faz morrer de tesão!” TOMAS COUTO, 31 anos, médico

“A misteriosa, surpreendente: começa devagar, cheia de charme e, quando eu menos espero, se transforma numa fêmea fatal daquelas que faz qualquer homem perder o fôlego!” FERNANDO CAMPOS, 23 anos, modelo

“Ela é segura – sabe perfeitamente o que está fazendo –, toma iniciativa e sabe esquentar a transa com gestos e palavras. Mulher fria na hora do sexo não tem lugar na minha cama...” TIAGO GOMES, 27 anos, psicólogo

“Ela topa tudo. Tem iniciativa e faz tudo que tem vontade para a transa ficar mais excitante, divertida e prazerosa.” JEFERSON VINDER, 31 anos, empresário

A caminho do prazer
1º) LINGERIE – Muito cuidado na hora de escolher a “roupa de baixo”. “Ela demonstra o bom gosto de quem está usando”, frisa Thiago Gomes. “Às vezes, a calcinha é tão excitante que nem é preciso tirá-la para transar. Vai com ela mesmo!”
2º) DEPILAÇÃO – Para eles, a depilação revela a higiene e o poder de sedução da mulher. “Com muitos pelos, está fora de moda. Depilada, a mulher parece mais limpa, sem falar que fica muito mais excitante.”
3º) BRONZEADO – “Enquanto vocês estão preocupadas com estrias e celulites, nós estamos de olho em outras coisas: na marquinha do biquíni por exemplo”, revela André Quirino. “Morro de tesão com essa marca. A mulher fica ainda mais incrível.”


  •  

Alerta Vermelho para eles


Fique atenta a problemas de saúde que podem comprometer o desempenho do seu parceiro






A disfunção erétil é mais comum do que imaginamos. De acordo com artigo publicado no jornal “The Huffington Post”, cerca de 20% dos homens apenas nos Estados Unidos sofrem com o mal. Além disso, ter problemas para chegar ao orgasmo também é um fato recorrente, mesmo entre os que não apresentam nenhuma disfunção.
Saber quais os problemas que estão levando seu companheiro à falta de desejo pode ajudar a combatê-lo e retomar uma vida sexual mais satisfatória e sadia. Por isso, é importante saber que algumas doenças que aparentemente nada tem a ver com a libido podem estar minando a relação sexual de vocês.
- Estresse Oxidativo:

Os radicais livres podem destruir a produção de óxido nítrico (que ajuda a dilatar os vasos sanguíneos). Alguns medicamentos indicados para disfunção erétil podem aumentar o óxido nítrico no corpo, embora essas pílulas, muitas vezes, venham sem essa indicação de efeito colateral. Muitas pesquisas estão sendo feitas para encontrar um meio mais natural para melhorar a função dos vasos sanguíneos. O aumento de antioxidantes pode ajudar a manter o óxido nítrico em um nível saudável para o fluxo de sangue. Por enquanto, o que se sabe é que o DHA, componente presente no óleo de vários peixes, como o atum, tem a mesma função. Então, incluir esses alimentos na dieta pode ser um passo para combater o problema.
- Transtornos psicológicos:
A falta de testosterona pode levar a diminuição do desejo sexual e alguns antidepressivos, como inibidores seletivos da recaptação da serotonina (ISRS), podem reduzir o nível deste hormônio. Caso seu companheiro tenha algo em seu histórico médico que pode estar afetando sua vida sexual, aconselhe-o a procurar um médico. Mesmo que ele ainda não tenha diagnosticado nenhum transtorno psicológico, algum trauma pode estar atrapalhando seu desempenho sexual. Acidentes de carro, perda de familiares há muito tempo, entre outros, podem tê-lo deixado com os nervos abalados.
- Diabetes, problemas cardíacos e/ou obesidade:
Qualquer uma destas condições de saúde podem afetar o fluxo de sangue e os níveis de hormônio, que precisam estar no pico de seu funcionamento no ato sexual. Novos pesquisas mostram que homens obesos com diabetes tipo 2, que perderam pelo menos 5% do peso, já mostraram aumento da libido e pararam de tomar remédios para disfunção sexual em apenas oito semanas. Ou seja, se seu companheiro está acima do peso, fique de olho: esta pode ser a causa da falta de desejo. Qualquer mudança de estilo de vida em busca de mais saúde pode ajudar a prevenir a disfunção erétil também. A receitinha a gente já conhece: atividade física regular, nada de cigarro e pouca bebida alcoólica, além da dieta alimentar balanceada.

Sexo quando ele Falha


Como entender e agir diante da impotência sexual masculina





Você esperou o dia inteiro para aquele programa a dois. Tomou um banho demorado, tirou da caixa alingerie nova e passou seu melhor perfume. Produção nota dez e hormônios a mil, mas quando chegou o momento, nada aconteceu. Apesar dos esforços de ambos, nada fez com que ele ficasse pronto para o sexo. A disfunção erétil, a popular "broxada", é mais frequente do que muitos imaginam, mas é assunto sempre de difícil trato para o casal, que levanta dúvidas, cria barreiras e muitos constrangimentos.
A economista Mariana Abreu preferiu fingir que nada havia acontecido quando o cara com quem estava saindo falhou justamente na hora agá. O momento era mais do que esperado, depois de alguns programas a dois nas últimas semanas e uns chopes a mais naquela noite. Após o barzinho, o destino escolhido foi a casa do rapaz e, a essa altura, Mariana já sabia exatamente o que ia acontecer. E estava adorando a idéia. "Durante os preliminares estava tudo ótimo, normal como nas outras vezes. Estávamos lá no bem bom. Na hora de colocar a camisinha, senti que ele estava meio tenso. Colocou e depois, brochou", conta.
“ Ele ficou todo preocupado, mas calado. Mudo mesmo. Puxei um papo, para ele não ficar se sentindo tão mal. Fiquei sem graça também”


A frustração foi inevitável e a inibição mútua. Diante do silêncio do rapaz, a economista seguiu a estratégia da dispersão, ou seja, tratou de puxar um assunto qualquer para desviar a atenção do problema. "Ele ficou todo preocupado, mas calado. Mudo mesmo. Puxei um papo, para ele não ficar se sentindo tão mal. Fiquei sem graçatambém. De repente foi melhor assim, porque é algo que não tem muita explicação. Falhou, porque falhou. Deve ter sido nervosismo dele", analisa.

Impotência: o lado psicológico

A hipótese levantada por Mariana tem grandes chances de ser verdadeira, já que aos 27 anos - idade de seu parceiro - as causas psicológicas são as grandes motivadoras da disfunção erétil, como explica o Dr. Márcio Dantas, presidente da Sociedade Brasileira de Medicina Sexual e diretor da Clínica Plenus. "O problema pode ser originado por fatores psicológicos, orgânicos ou, ainda, por ambas as motivações, que ocorrem ao mesmo tempo. Porém, as causas variam conforme a faixa etária do homem", explica o médico.

Segundo ele, dos 30 aos 40 anos, as questões orgânicas passam a ser mais frequentes entre as razões para o problema, fator que, na etapa seguinte se acentua ainda mais. "Dos 40 aos 55 anos, há a queda na taxa de testosterona no organismo e isso leva a uma redução do desejo sexual. É a Síndrome do Envelhecimento Masculino, que antigamente chamávamos de andropausa. É algo absolutamente normal e que pode ser remediado. O hormônio pode ser reposto, trazendo muitos benefícios ao homem", esclarece o Dr. Dantas. A partir dos 55 anos, problemas como obesidade, diabetes e hipertensão irão dificultar muito a qualidade de ereção, como acrescenta o médico, alertando ainda para o fato de que o consumo excessivo de álcool e cigarro tende a agravar o problema.






Quando a "falha" acontece é normal que a mulher tenha dúvidas sobre a melhor maneira de reagir ao problema e, algumas vezes, na tentativa de ajudar, acaba piorando a situação. Para o artista plástico João Cortez, o melhor é esquecer o assunto momentaneamente, curtir o relacionamento de outras formas e deixar o sexo para depois. "Você está perturbado por si mesmo, sabe? Se a mulher faz cara de frustrada ou fica achando que é com ela, é pior ainda. Vamos deixar para lá, ficar pelado na cama conversando, tomar banho juntos, mudar de assunto. Quero que ela me abrace, me beije e se convença de que o sexo não era para aquela hora", explica.

Aos 28 anos, João sabe que fatores psicológicos são responsáveis por problemas deste tipo e, por isso, segundo ele, não adianta insistir na relação sexualde imediato. "Estou com o corpo inteiro, saúde boa. Quando acontece é coisa de cabeça. Espero colo. Não quero que ela fique me tocando, tentando me reanimar, porque não vai rolar. Vou ficar me sentindo 'o broxa' e ela, 'o bagulho'. Tem de rolar uma compreensão de que a 'broxada', embora seja um problema que quase sempre nasça do homem, vira uma questão do casal", comenta o artista plástico.

compreensão feminina é fundamental no momento. E quando o casal tem uma relação mais estável e íntima, a importância da participação da mulher, claro, é ainda maior, como explica a Dra. Carmita Abdo, professora de medicina da USP e coordenadora do Projeto Sexualidade. "A parceira tem um papel importantíssimo na busca pela causa do problema e de seu tratamento. Muitas vezes ela percebe que esse passo não vai ser dado porque o homem se esquiva. Ela se recente imaginando que esse afastamento é uma rejeição. É preciso que ela observe o comportamento do parceiro. Olhe para trás e veja se antes não haviam falhas espaçadas e que pouco a pouco se tornaram mais frequentes", orienta.

Segundo a médica, é importante a busca de tratamentos para que o homem recupere a ereção - o que refletirá de imediato no aumento de sua autoestima -, mas ele também deve procurar entender os fatores que motivaram o problema. "Quando o motivo é emocional, ele costuma pensar que não há sequer doença alguma. A gente sabe que tanto a depressão quanto o estresse podem causar disfunção erétil. Por isso, é importante que a origem do problema seja diagnosticada, preservando não só a saúde sexual, mas a saúde geral do homem", afirma.


“ A mulher tem de ter muita calma e disposição para auxiliar o parceiro”


A mulher deve agir como incentivadora do tratamento, e ajudá-lo a buscar a solução adequada. É importante não deixar a sensibilidade de lado, estar atenta ao comportamento do parceiro no dia-a-dia e, sobretudo, se convencer de que a disfunção erétil é um problema de saúde e não de falta de virilidade, para abordar a questão da forma adequada, orienta Dra. Carmita Abdo.

"Ela tem de observar se ele está bem de uma forma geral. No caso de diabetes, por exemplo, a pessoa apresenta muita sede, urina várias vezes ao dia. Frente a um problema emocional, ela pode comentar como ele tem estado desanimado, com pouca disposição para o trabalho e lazer e questioná-lo se a disfunção não representa um aspecto no quadro da depressão. A mulher atenta pode fazer este tipo de observação, mostrando que ele não está bem em outros aspectos também. A mulher tem de ter muita calma e disposição para auxiliar o parceiro", afirma Dra. Carmita.
Impotência sexual: existe cura! 
Independente do que gerou o problema, não há motivos para desespero, nem dele, muito menos seu.Há cura para todos os tipos de disfunção erétil, garante o Dr. Márcio Dantas. Segundo ele, existe uma sequência de tratamentos que podem ser sugeridos ao paciente, a partir de seu diagnóstico. "Podemos indicar tratamentos medicamentosos, via oral e injeções intrapenianas, as bombas de vácuo e, por último, o implante de prótese", enumera.

Além de ações clínicas para recuperação da ereção, o médico recomenda o acompanhamento psicológico do paciente, mesmo quando se trata de um problema estritamente orgânico. Isto porque o homem tende a se sentir muito sozinho e a nutrir a sensação de que é única pessoa do mundo a ter o problema. E é lógico que isto não é verdade. Dr. Márcio Dantas explica que na faixa dos 30 anos,aproximadamente 30% dos homens apresentam algum tipo de disfunção erétil, que pode ser leve, moderada ou severa. Aos 40 anos, a porcentagem sobre para 40% e aos 50 anos para 50%. Ou seja, como eles mesmo dizem, constrangidos ao tentar se justificar, "acontece". Mesmo.

Já?




Vocês mal começam e ele chega ao fim. Entenda a ejaculação precoce e como ajudar seu amor




A ejaculação precoce é uma disfunção sexual que incomoda muita gente. Só no Brasil, cerca de 26% dos homens são afetados pelo problema, segundo pesquisa do Programa de Estudos em Sexualidade (ProSex), do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas de São Paulo. Na também conhecida como "EP", a ejaculação ocorre antes ou imediatamente após a penetração.

Um estudo realizado recentemente com mais de 12 mil homens mostrou que aqueles identificados como ejaculadores precoces têm vida sexual significativamente pior do que os que não compartilham dessa condição. "Além de um prejuízo importante da autoestima, existe um prejuízo da qualidade de vida sexual e da qualidade de vida em geral", afirma o Dr. Archimedes Nardozza, chefe do Departamento de Andrologia da Sociedade Brasileira de Urologia.

Até bem pouco tempo, a Organização Mundial da Saúde (OMS) não definia qual era o tempo considerado "normal" para que o homem ejaculasse, logo, o conceito de "precoce" não era nada objetivo. Em julho deste ano aconteceu uma reunião de especialistas em Paris que se preocuparam com a questão do tempo. "Houve um consenso mundial sobre disfunções sexuais e ficou definido, pela primeira vez, que a ejaculação precoce é a que ocorre antes dos dois minutos após a penetração", esclarece o médico.

Muitas coisas devem ser levadas em conta: a idade do indivíduo, a freqüência da atividade sexual recente e a situação sexual diferente do comum. "Ao contrário do que boa parte das pessoas acredita a ejaculação precoce não é um problema que acomete apenas homens mais jovens. Essa disfunção tem incidência similar em todas as faixas etárias.


A EP é considerada primária se tem início na juventude, quando o homem está mais ansioso pelas experiências sexuais e ainda não adquiriu o devido controle sobre si mesmo. Falta de experiência, medo de mau desempenho, inibição diante da parceira podem criar um estado de ansiedade intensa que leva o jovem a ejacular rapidamente. Nesse caso, com o passar do tempo - e na maioria das vezes - a dificuldade é superada. "O homem jovem, por natureza, é um ejaculador precoce. Com o tempo e maturidade vai aprendendo sobre seu corpo, testando sua capacidade de prolongar o tempo e o prazer", diz a Dra. Luciana Parisotto, psiquiatra da Academia de Psicossexualidade Humana (ACADESEX).

Já o acometimento tardio, quando o homem tem a ejaculação no tempo considerado normal e, de repente, passa a ejacular precocemente, é chamado de secundário. Este tipo se caracteriza por um quadro de ansiedade que aparece diante de fatores da vida, sejam preocupações ou excitações, fazendo com que o homem fique mais "apressadinho".
E é justamente a ansiedade o principal fator de risco para a disfunção. Esse estado emocional explica, por exemplo, o porquê dos primeiros encontros, na maioria das vezes, serem tão desastrosos. Como cérebro e corpo agem em conjunto, a dinâmica funciona assim: a produção de adrenalina, que começa no período de excitação e vai se elevando até o indivíduo chegar ao fim do ato, é a responsável pela ejaculação. Se o homem estiver ansioso - geralmente porque quer impressionar a mulher - o nível de adrenalina sobe muito rápido e ele ejacula antes.
Culturalmente, os homens foram condicionados a associar rápida ejaculação à virilidade. Esse conceito foi modificado a partir do momento em que a mulher soltou a voz. Dessa forma, os casais precisaram entrar em sintonia para que os relacionamentos perdurassem. O sexo masculino, acostumado a ditar as regras, se viu mais vulnerável, já que a satisfação da parceira passou a ser um dos pontos fundamentais para o equilíbrio da relação.

Direitos iguais na hora do prazer trouxeram também a divisão das responsabilidades. "Qualquer problema na área sexual dos homens é complicado para o casal. Para ele é sua autoestima que está em jogo. Para ela, há desde um constrangimento em falar a respeito para não melindrar o parceiro até uma cobrança direta, pois seu prazer está sendo prejudicado", diz Luciana Parisotto.

Já deu para perceber que, muito mais que fisiológica, a ejaculação precoce tem causas psicológicas. Por isso, um dois caminhos para tratar o distúrbio é a terapia comportamental. Há uma outra via: o uso de antidepressivos em baixas doses. O medicamento age na serotonina, neurotransmissor que exerce papel preponderante na ejaculação. O resultado é a diminuição da ansiedade e, por consequência, retardo do orgasmo. Muitos especialistas preferem associar a análise à farmacologia, já que os resultados da combinação têm sido excelentes.

A terapia sexual tem eficácia pouco comprovada em longo prazo e utiliza exercícios práticos para ensinar o paciente a controlar a ejaculação. Alguns especialistas recomendam o uso de cremes ou sprays que têm efeito anestésico. Esse procedimento tem sucesso em alguns casos, mas prejudica a sensibilidade e pode diminuir a satisfação com a relação sexual.

Antes de qualquer tratamento, o paciente com sintomas de EP deve ser submetido a um exame clínico completo para avaliar os fatores de risco. Pode haver causas como disfunção endócrina, sintomas de doença cardiovascular ou do trato urinário, especialmente em pessoas com mais idade.

Apesar de alguns homens resistirem à ajuda, isso tem mudado. Os problemas sexuais estão deixando de ser tabu. "Após o advento dos medicamentos para tratamento da disfunção erétil os homens passaram a procurar mais os médicos", atesta o Dr. Nardozza. E a Dra. Luciana reforça o coro: "Nas últimas décadas o homem está falando mais de sexo e procurando ajuda. Existe indumentária medicamentosa no mercado, há mídia sobre o assunto, mais abertura".  

Só não pense que a ejaculação precoce é um problema exclusivamente dos homens. As mulheres também estão envolvidas. "O impacto na vida do casal é grande. Constrangimento, desavenças e conflitos relacionais ocorrem por conta do problema", afirma a psiquiatra Carmita Abdo.

Segundo a Dra. Luciana Parisotto, é importante que a mulher seja compreensiva e que não pressione o parceiro. "Ela deve ser pró-ativa. Dizer que há algo atrapalhando com tranqüilidade", orienta. E completa: "Muitas vezes o homem não tem noção que seu tempo é curto e a parceira mais fixa é que vai lhe indicar". Por isso, sinceridade é fundamental. Pode parecer impossível, mas muitos casais convivem com a doença durante anos e a situação só é colocada em pratos limpos quando a mulher confessa que nunca sentiu orgasmo porque o companheiro ejacula rápido demais.

Além do diálogo, o apoio ao homem faz toda a diferença. "É importante que a mulher se ofereça para tratamento conjunto se necessário", diz a especialista. Uma vez participante, ela contribui - e muito - para a melhoria do quadro e, por conseqüência, do relacionamento.

Por outro lado, a cobrança e a falta de paciência só desanimam. Quanto mais pressão, maior será a ansiedade e mais complicado será o desempenho do parceiro. "A mulher que pressiona pode causar um grande problema sexual para o casal, pois os homens geralmente ficam frágeis quando são cobrados e o sexo só pode ser feito quando o parceiro está tranqüilo. Caso contrário, ele perde ereção ou ejacula rápido. Na pior das hipóteses, fica tão prevenido que até diminui o desejo sexual", alerta a Dra. Luciana.

Ejaculação precoce é uma doença, sim. Mas tem cura. A primeira providência é procurar um profissional especializado. "Um médico urologista poderá orientar quanto à necessidade de uma terapia sexual", alerta o Dr. Archimedes Nardozza. Conhecer o próprio corpo também é importante. Identificar o problema é o primeiro passo para lidar com ele e tratá-lo da forma correta o quanto antes.

Broxou e Agora ?


Você animadíssima, cheia de amor pra dar e ele...nada! O que fazer numa situação 

dessas?





“Acontece com todo mundo, não fica assim não”. Certamente essa é uma das frases mais detestadas da humanidade. Os homens humilhados, as mulheres frustradas, o momento delicado: o cara broxou. A grande pergunta é o que fazer numa hora dessas. Para este dilema não há resposta e tampouco fórmula mágica capaz de fazer levantar aquele ser inanimado. “Dá vontade de sentar e chorar. Afinal de contas, eu faço toda aquela fantasia achando que vai ser o máximo e não acontece nem o mínimo”, revela a bailarina Renata Falcão. O fato é que, de alguma forma, deve-se resolver a situação, seja chorando, conversando, desistindo, gritando ou partindo para alternativas criativas.

A professora Joana Costa conta, triste, sua experiência. “Quando comecei a sair com o Bernardo, a última coisa que eu podia imaginar era que ele pudesse ter qualquer problema sexual. Afinal, ele era lindo, moreno, forte e ainda era o cara mais cobiçado da minha sala. No começo foi tudo muito bom e a gente se dava até bem na cama. Depois de um ou dois meses, aconteceu o inesperado: nós estávamos lá em casa, minha mãe tinha saído, começou a rolar um clima e na hora H o Bernardo broxou. Ele ficou totalmente sem graça e eu, sem saber o que fazer, fiquei lá, tentando consolá-lo, dizendo que isso acontece, me sentindo ridícula, numa daquelas cenas de novela mexicana. Depois disso ele começou a me evitar, não me levava mais para a casa dele quando estava sozinho e eu decidi dar uma pressionada chamando ele para o motel. Achei que ele podia estar preocupado com a chance de alguém aparecer e pegar a gente no flagra. Só que eu estava enganada! No motel também deu tudo errado e a minha tentativa só piorou a situação. Acho que ele ficou neurótico com medo de eu terminar por causa disso e aí é que não conseguiu "levantar" mesmo. Eu suportei essa situação por mais dois meses, mas o pior é que ele não se tocava e ao invés de me dar prazer de outras formas, ele virava para o lado e dormia. Só eu mesma pra agüentar uma mala dessas”!, reclama.

“Quando aconteceu isso comigo pela primeira vez, tive vontade de sumir”, afirma o advogado Gustavo Ribeiro, 28 anos. “Foi a maior vergonha da minha vida. Se tivesse acontecido aos 40 anos seria diferente, mas aos 23! E a mulher era uma gracinha. Ainda por cima tive que ouvir a indefectível frase “isso acontece com todo mundo”, o que descobri ser mentira, pois, segundo ela me contou depois, nenhum homem tinha broxado com ela. Depois de alguns dias, encarei com mais naturalidade e ela foi muito legal comigo não contando para as amigas, nem me expondo ao ridículo”. O que ele não sabia é que este tipo de problema, se é que pode ser considerado assim, é normal porque em cada cinco ou seis tentativas, o homem falha uma ou duas vezes e, aos quarenta anos, 90% dos homens já terão sido impotentes pelo menos uma vez na vida. A advogada Kátia Cruz conta o que fez com seu namorado, depois da falha dele: ”Fiquei muito chateada e soltei os cachorros pra cima dele. Eu disse: dorme, mas dorme bem porque amanhã você vai ter que dar conta do recado.Toma guaraná em pó, come amendoim, dá o seu jeito! E funcionou”. Ainda bem.

Mas não são todos os homens que ficam envergonhados quando broxam, há inclusive alguns que não vêem problema algum em “não terminar o serviço”. O engenheiro Celso Andrade, 33 anos, é um deles. Dizendo já ter broxado algumas vezes (mas não diz quantas), ele encara com naturalidade a situação. “Ah, isso acontece com todo mundo! Não vejo problema algum. O complicado é quando a culpa é da mulher. Como dizer a ela que alguma coisa não cheira bem? Nessas situações eu não penso duas vezes: minto”. Não esquentar a cabeça, além de ser muito bom, pode reverter a situação. Que o diga o estudante de psicologia Marcio Costa, 29 anos. Ele estava no motel e o “instrumento” não queria funcionar de forma nenhuma. Superado o trauma inicial, Marcio e sua namorada ficaram falando amenidades, vendo televisão e de repente...”Aquela coisa de ficar batendo papo foi muito bom porque eu me senti menos culpado, ela me deixou muito à vontade e acabamos nos divertindo bastante. Não perdi a pose, afinal de contas, sei que eu não teria prazer, mas porque ela não poderia ter? E para isso, eu não dependo somente do bigulim”, garante.

O que a médica Solange Abreu não esperava é que o seu namorado fosse broxar com um acessório básico em qualquer bolsa de mulher e carteira de homem. “Eu namorei um cara que broxava toda vez que via a camisinha. Era tiro e queda... e queda no sentido literal da palavra”, brinca. “Até aí tudo bem porque camisinha não é a melhor coisa do mundo. O problema começou quando ele parou de "funcionar" sem motivo aparente. No começo eu fui super compreensiva, até porque ele estava desempregado. Nós conversamos e ele disse que estava realmente muito preocupado com essa situação. Só que o Marcelo começou a broxar com muita freqüência e acabou me contando que isso já tinha acontecido outras vezes, com outras namoradas. Como o relacionamento já não andava muito bem, daí para o fim do namoro foi um pulo. Sexo não é tudo numa relação, mas paciência tem limite”!

Não é uma lista de desculpas, mas os homens são criaturas que broxam pelos mais variados motivos. A baixa auto-estima, problemas no trabalho, o chefe pegando no pé, dívidas no cartão de crédito, o aluguel que está atrasado, enfim, temos problemas e eles se refletem diretamente no nosso desempenho. Homens que ficam muito tempo sem transar e abusam da masturbação também correm o risco de ficar na mão e deixar você junto. Sabia que às vezes a beleza de vocês também é capaz de nos fazer "enfraquecer os trabalhos”? Pode acreditar, é a síndrome de “muita areia para o nosso caminhãozinho”. Mas, nem sempre, a culpa da broxada é nossa. Cheiro ruim faz qualquer homem, por mais potente que ele seja, perder o embalo no meio do caminho.

Outro ponto é tomar cuidado com os homens que bebem demais, afinal de contas, além da possibilidade iminente de uma brochada, o cara pode vomitar em cima de você! Eca! A professora Alice Ramos teve uma excelente idéia para virar este jogo. “Tínhamos voltado de uma festa e o Sérgio estava muito bêbado. Na hora do vamos ver ele “não reagiu”, mas eu achava que isso poderia acontecer. Sem perder a pose, disse para ele dormir um pouquinho enquanto eu ia fazer uma comidinha. Algum tempo depois o acordei, dei jantar para ele e....Batata, tudo funcionou”.

Meninas, agora prestem muita atenção. Existem coisas que nunca devem ser feitas nem ditas no caso de uma broxada. A frase “isso acontece com todo mundo, não fica assim não”, é o fim! Todo homem sabe disso, mas nunca espera que aconteça com ele, por isso, jamais diga isso. Ir embora é traumático demais e faz qualquer homem se sentir o pior dos piores. Virar para o lado e dormir também não é nada bom, Nesta hora nós precisamos de um apoio moral e, se a mulher dorme, perde também a oportunidade de ter prazer de outras formas. Além do que é muito cômodo para o “incompetente” não terminar o que começou. Exija dele uma atuação! E, se for o caso, procurem juntos um tratamento médico. 


A motivação sexual resulta da interação de fisiologia, ambiente (estímulos externos) e imaginação (fantasias). Durante a fase de excitação inicial as áreas genitais ficam ingurgitadas pelo sangue fazendo o pênis se tornar ereto, completando o ciclo, na fase máxima de excitação. Suas causas podem ter base orgânica ou psicológica.

O diagnóstico de causas emocionais deve ser antecedido de uma avaliação médica feita por especialista. Em geral estados de ansiedade elevados produzem os sintomas de ereção parcial ou de não ereção, esses níveis de ansiedade podem estar vinculados a experiências situacionais, como stress, sentimento de insegurança frente ao ato sexual, ou até mesmo diante da mera expectativa de um encontro, o que geralmente desaparece em pouco tempo. Podem ainda ser motivados por processos mentais inconscientes, sem causa aparente, devido por exemplo a fortes sentimentos de culpa experimentados durante o desenvolvimento de sua sexualidade, o que requer tratamento a base de psicoterapia.

É conveniente lembrar que em nossa sociedade é muito comum um homem com sintomas de impotência, ainda que de causa orgânica, ter sua auto estima diminuída, o que acaba requerendo uma orientação terapêutica interdisciplinar. A falta de informação ou mesmo a dificuldade em admitir sua condição, leva o indivíduo a buscar soluções sem embasamento técnico científico apropriado, aumentando a ansiedade diante de novas experiências malsucedidas o que acaba por agravar o seu quadro.

FISIOLOGIA DA EREÇÃO

Os elementos essenciais básicos para se atingir a ereção normal com um estímulo apropriado são:
1. Sistema nervoso adequado.
2. Fluxo arterial adequado.
3. Bom funcionamento do mecanismo veno-oclusivo.
4. Anatomia peniana funcional.
5. Ambiente hormonal adequado.
6. Mente concentrada no estímulo sexual, ausência de distrações e de medos de um resultado não compensador.

DIAGNÓSTICO EM CONSULTÓRIO

A avaliação em consultório é direcionada inicialmente à caracterização da natureza exata do problema sexual e ao desenvolvimento de uma relação que será a base de um tratamento bem sucedido. O conforto e a cooperação do paciente serão reforçadas se o examinador tiver facilidade para discutir problemas sexuais, utilizando uma terminologia fácil de entender. Tanto pacientes como as pessoas consultadas freqüentemente acreditam que disfunção erétil masculina, alterações no desejo sexual e distúrbios orgásmicos são sinônimos. Cada uma dessas áreas deve ser explorada criteriosamente e entendida como uma entidade independente.

Histórico

Histórico sexual
Questões relacionadas à parceira e à relação
Outros problemas médicos: doenças, cirurgia prévia e uso de medicamentos.

Exame Físico
Estado de Saúde Geral
A genitália deve ser examinada de forma rotineira, o que deve incluir testes de tamanho e consistência do pênis para a detecção de deformidades, cicatrizes ou placas endurecidas.
Características sexuais secundárias(por exemplo pilificação na genitália).
Exame de toque retal para avaliação prostática.

Avaliação Psicológica
Muito importante no caso de uma mudança circunstancial na capacidade erétil
Problemas intrapessoais (por exemplo, ansiedade por medo de não ter bom desempenho).
Problemas interpessoais (por exemplo, maritais)
Doença psiquiátrica coexistente.
Histórico de vício de drogas, alcool,etc..
Histórico de abuso ou violência.

Laboratoriais. Não há exames laboratoriais de caráter obrigatório.
A determinação dos níveis hormonais,por exemplo nível de testosterona sérica (colhidos pela manhã) e o nível de prolactina sérica quando a libido está diminuída são úteis.

Avaliação endocrinológica completa é indicada nos casos de disfunções hormonais(por exemplo: hipogonadismo secundário.
Determinação do cariótipo em casos de suspeita de anomalias genéticas.
Glicemia de jejum e a hemoglobina glicosilada é indicada em suspeita de Diabetes.

Exames complementares
Teste da Tumescência peniana noturna,ou em Tempo Real
Cavernosometria e cavernosografia por infusão dinâmica(questionável nos dias de hoje seu valor no diagnóstico).
Estudos dinâmicos de Ultra-som Doppler associado à teste de Ereção fármaco-induzida)para avaliação arrterial e venosa peniana.
Teste de ereção fármaco induzida com drogas vaso-ativas(por exemplo Prostaglandina)

TERAPIA DIRECIONADA AO OBJETIVO DO PACIENTE

A terapia para a Disfunção Erétil tem base diferentes em comparação com o tratamento de muitas outras doenças. Embora não constitua uma ameaça de vida e seja comumente de origem física, a disfunção erétil pode ter impacto psicológico significativo nos dois cônjuges e apresenta potencial para afetar amplamente muitos domínios socio-econômicos. A atividade sexual é, por sua natureza, intermitente e geralmente envolve um cônjuge, cujo apoio é vital para o sucesso da terapia. O paciente e seu cônjuge devem estar suficientemente motivados para participar de algum tipo de terapia. Para os casais ficarem satisfeitos com o tratamento, é imperativo que ambos cônjuges entendam plenamente o problema e que tenham expectativas realistas das soluções possíveis.

Possíveis tratamentos: 

Farmacológico não-invasivo
Terapia por injeção intracavernosa (IIC)
Tratamento com dispositivos a vácuo
Próteses penianas
Cirurgia vascular
Aspectos psicoterápicos

FISIOLOGIA DA EREÇÃO

Os elementos essenciais básicos para se atingir a ereção normal com um estímulo apropriado são:
1. Sistema nervoso adequado.
2. Fluxo arterial adequado.
3. Bom funcionamento do mecanismo veno-oclusivo.
4. Anatomia peniana funcional.
5. Ambiente hormonal adequado.
6. Mente concentrada no estímulo sexual, ausência de distrações e de medos de um resultado não compensador.

DIAGNÓSTICO EM CONSULTÓRIO

A avaliação em consultório é direcionada inicialmente à caracterização da natureza exata do problema sexual e ao desenvolvimento de uma relação que será a base de um tratamento bem sucedido. O conforto e a cooperação do paciente serão reforçadas se o examinador tiver facilidade para discutir problemas sexuais, utilizando uma terminologia fácil de entender. Tanto pacientes como as pessoas consultadas freqüentemente acreditam que disfunção erétil masculina, alterações no desejo sexual e distúrbios orgásmicos são sinônimos. Cada uma dessas áreas deve ser explorada criteriosamente e entendida como uma entidade independente.

Histórico
 Histórico sexual
 Questões relacionadas à parceira e à relação
 Outros problemas médicos: doenças, cirurgia prévia e uso de medicamentos.

Exame Físico
 Estado de Saúde Geral
 A genitália deve ser examinada de forma rotineira, o que deve incluir testes de tamanho e consistência do pênis para a detecção de deformidades, cicatrizes ou placas endurecidas.
 Características sexuais secundárias(por exemplo pilificação na genitália).
 Exame de toque retal para avaliação prostática.

Avaliação Psicológica
Muito importante no caso de uma mudança circunstancial na capacidade erétil
 Problemas intrapessoais (por exemplo, ansiedade por medo de não ter bom desempenho).
 Problemas interpessoais ( por exemplo, maritais)
 Doença psiquiátrica coexistente.
 Histórico de vício de drogas , alcool,etc..
 Histórico de abuso ou violência.

Laboratoriais. Não há exames laboratoriais de caráter obrigatório.
A determinação dos níveis hormonais,por exemplo nível de testosterona sérica (colhidos pela manhã) e o nível de prolactina sérica quando a libido está diminuída são úteis..

Avaliação endocrinológica completa é indicada nos casos de disfunções hormonais(por exemplo :hipogonadismo secundário.
Determinação do cariótipo em casos de suspeita de anomalias genéticas.
Glicemia de jejum e a hemoglobina glicosilada é indicada em suspeita de Diabetes.

Exames complementares
 Teste da Tumescência peniana noturna,ou em Tempo Real
 Cavernosometria e cavernosografia por infusão dinâmica(questionável nos dias de hoje seu valor no diagnóstico).
 Estudos dinâmicos de Ultra-som Doppler associado à teste de Ereção fármaco-induzida)para avaliação arrterial e venosa peniana.
 Teste de ereção fármaco induzida com drogas vaso-ativas(por exemplo Prostaglandina)

TERAPIA DIRECIONADA AO OBJETIVO DO PACIENTE

A terapia para a Disfunção Erétil tem base diferentes em comparação com o tratamento de muitas outras doenças. Embora não constitua uma ameaça de vida e seja comumente de origem física, a disfunção erétil pode ter impacto psicológico significativo nos dois cônjuges e apresenta potencial para afetar amplamente muitos domínios socio-econômicos. A atividade sexual é, por sua natureza, intermitente e geralmente envolve um cônjuge, cujo apoio é vital para o sucesso da terapia. O paciente e seu cônjuge devem estar suficientemente motivados para participar de algum tipo de terapia. Para os casais ficarem satisfeitos com o tratamento, é imperativo que ambos cônjuges entendam plenamente o problema e que tenham expectativas realistas das soluções possíveis.


Pholia Negra


Conheça a erva emagrecedora que está ganhando força nas dietas




A gente já sabe que milagres não existem, mas parece que uma nova folhinha vai facilitar um pouco as coisas no caminho para o corpo perfeito. A Pholia Negra é uma erva que auxilia no controle do peso e está ganhando cada vez mais espaço no mercado defitoterápicos.
Usada há séculos por povos indígenas na América Latina como uma bebida medicinal, a espécie está ganhando atenção em todo o continente, e o consumo também cresce nos Estados Unidos e na Europa - já chegou a superar o uso de chá verde e goldenberry, outras ervas muito utilizadas em dietas para redução de peso.
Ao contrário de outras substâncias que ajudam a controlar o apetite, a Pholia Negra atua na saciedade. Ela ajuda a retardar o esvaziamento gástrico, ou seja, a comida demora mais para sair do estômago para o intestino. Isso provoca um efeito de saciedade, já que a pessoa demora mais tempo para sentir fome.

Mas a nutricionista Vivian Goldenberg, do Emagrecentro, faz um alerta para todas que ganharam um brilhinho a mais nos olhos com aexpectativa do emagrecimento milagroso. "Este fitoterápico é apenas um auxiliar no processo de emagrecimento, devendo estar aliado à reeducação alimentar e prática de atividade física regular", diz ela.
"Assim como quase todos os fitoterápicos, não tem contraindicações", afirma a nutricionista Amanda Carbonelli. Ela ainda explica que, além do efeito de saciedade, a erva ativa algumas proteínas que alteram o metabolismo de ácidos graxos e glicose - gordura e açúcar - que também diminuem a indesejada barriguinha.
Mas o uso da substância deve ser sempre acompanhado por profissionais. "A forma mais segura de usar a Pholia Negra é sua prescrição por um nutricionista, para a manipulação em farmácias específicas", alerta Amanda.


Hepatite C : Nova Diretrizes



Ministério da Saúde lança novo programa para distribuição de medicamentos


O Governo Federal anunciou nesta segunda-feira, 18, um pacote de medidas que pretende estender o atendimento e distribuição de remédios a pacientes com hepatite C. O novo protocolo visa a dar mais agilidade para conseguir acesso ao remédio do tratamento, o interferon peguilado, e também à extensão do uso desse medicamento, que muitas vezes precisa ser requerido judicialmente.
Na prática, a medida permite mais agilidade para indicar o prolongamento de tratamento. No programa antigo, a extensão do uso do interferon só era garantida depois da aprovação do Comitê Estadual de Hepatites Virais. Agora, o médico que acompanha o paciente já pode prescrever a continuidade do tratamento, de acordo com os critérios estabelecidos no documento.

No Brasil, há 11.882 pessoas em tratamento e a ampliação do uso do remédio para portadores de outros genótipos do vírus vai beneficiar, pelo menos, mais 500 pacientes. Além, disso, a nova formulação do interferon vai trazer mais conforto aos pacientes, já que só precisa ser usada uma vez por semana, ao contrário do interferon tradicional, que deve ser utilizado três vezes por semana.
hepatite C é uma doença que acomete o fígado, transmitida por transfusão de sangue ocorrida antes de 1993 (ano em que os testes para detecção de anticorpos da hepatite C em bancos de sangue foram implantados), seringas ou aparelhos perfurocortantes contaminados, tais como equipamentos odontológicos e materiais utilizados para tatuagem e piercing. Lâminas de barbear e de manicure e pedicure estão entre os materiais que necessitam ter seu uso individualizado. A infecção também pode ser transmitida pela via sexual em relações desprotegidas.

Hepatite



A hepatite é uma doença que atinge milhares de pessoas a cada ano e pode ser transmitida por várias formas, inclusive pelo sexo. Conheça os seus diversos tipos e saiba como se prevenir.




Cada vez mais comum, a hepatite é uma doença que compromete um órgão extremamente importante para a saúde: o fígado. Entre outras funções, ele é responsável pela destruição das células mortas, fundamental para a coagulação do sangue e a produção da bile - um elemento vital para a digestão. Como se não bastasse, a hepatite ainda apresenta subdivisões. Classificada como tipo A, B, C, D ou E, cada uma apresenta seus próprios sintomas e tratamentos. Mas com algumas precauções – que incluem vacinas - as mais freqüentes já podem ser evitadas. 

Hepatite A 
É a mais comum e atinge principalmente crianças, por causa do seu modo de contaminação. "Ela se dá através de água, sangue e alimentos contaminados, secreções humanas e em locais de grande concentração de público, como balneários e praias", explica o doutor Carlos Eduardo Brandão Melo, hepatologista e professor adjunto da faculdade de medicina da UFRJ. Infelizmente, o Brasil tem risco elevado para a aquisição de hepatite A, em razão das condições deficientes ou inexistentes de saneamento básico, nas quais grande parte da população é obrigada a viver, inclusive nos grandes centros urbanos. Os sintomas são: febre, fadiga, mal-estar, perda de apetite, diarréias e icterícia (olhos amarelados). No entanto, não é difícil se proteger da doença. "Basta tomar algumas medidas simples de proteção, como lavar as mãos antes das refeições, após usar o banheiro, beber água tratada ou fervida e lavar bem as frutas antes de comê-las", ensina o médico. Mas a melhor prevenção ainda é a vacina. "Um mês após a primeira dose, as vacinas produzem mais de 95% de imunidade em adultos e 97% em adolescentes e crianças acima de dois anos. Para a completa imunização é necessária duas doses da vacina, com intervalo de seis meses entre cada uma", garante Carlos Eduardo.

Hepatite B
Causada pelo vírus HBV, a hepatite B é encontrada em todo o mundo. Segundo a Organização Mundial de Saúde, ela afeta cerca de um milhão de pessoas somente nos Estados Unidos. Anualmente, nos EUA, há 200 mil novas infecções e, deste total, aproximadamente 5 mil pessoas morrem em decorrência da doença e de suas complicações. Além de ser muito grave e até fatal, há casos em que a hepatite B não apresenta sintomas. "Algumas pessoas apresentam sintomas semelhantes ao da gripe, incluindo fadiga, febre, dores musculares e nas articulações e icterícia", explica o gastroenterologista Jorge Andrade de Segadas Soares. Embora qualquer pessoa possa contrair o vírus, por ser transmitido normalmente em transfusões sangüíneas e relações sexuais, existem certos grupos que, devido ao estilo de vida, apresentam maior probabilidade de se infectar. "É o caso de pessoas com muitos parceiros sexuais, que já tiveram doenças venéreas muitas vezes, homossexuais, bissexuais e usuários de drogas injetáveis", alerta Segadas. Ao contrário do que acontece com a AIDS, existem vacinas para prevenir a hepatite B. Ao menor risco de desconfiança, converse com o seu médico. "Lamentavelmente, ainda não há medicamento para combater diretamente o agente da doença, trata-se apenas os sintomas e as complicações", completa. 

Hepatite C
Com maior incidência no Egito, onde aproximadamente 15% da população está contaminada, a hepatite C é a mais perigosa. "Em 85% dos casos ela pode se tornar crônica, ou seja, pode voltar a qualquer momento, podendo evoluir para uma provável cirrose ou câncer no fígado", diz o doutor Carlos Eduardo. De acordo com uma pesquisa feita pelo Instituto de Infectologia Emílio Ribas, 2,2% da população da região metropolitana de São Paulo é infectada com o vírus da hepatite C. O maior problema deste tipo de hepatite é que ela, normalmente, não apresenta sintomas. "O alto índice de mortalidade em pacientes com HCV deve-se, em muitos casos, ao não diagnóstico da própria doença. A maior parte dos pacientes são diagnosticados em exames de rotina ou quando vão doar sangue", garante o médico. Adquirida tal qual a hepatite B, ela é mais devastadora porque o vírus pode ficar até 30 anos incubado, destruindo lentamente o fígado. "Demora muito para aparecer seqüelas, como a cirrose e o câncer do fígado. Por este motivo, o índice de transplantes nos portadores do HCV é bastante alto", afirma Carlos. O tratamento não é fácil. "Não dá para eliminar o vírus, a única coisa que podemos fazer é tentar diminuir o processo inflamatório no fígado, diminuir a fibrose hepática - e conseqüente evolução para cirrose -, e também reduzir a chance de aparecimento de câncer nos pacientes já com cirrose", comenta o médico. A vacina contra o vírus ainda não foi descoberta, mas os pesquisadores acreditam que, daqui a uns dez anos, ela já esteja disponível no mercado. "O alto custo dos remédios controladores é o principal limitador para o tratamento", acredita.

Hepatite D
O vírus da hepatite D não é um vírus propriamente dito, e sim uma partícula de vírus que só consegue sobreviver se a pessoa também tiver o vírus da hepatite B. "Ele é o responsável pelas fases de piora da hepatite B ou dos períodos de ativação da fase crônica", alerta Segadas. Contraída da mesma forma que a hepatite B, ela também é devastadora pois, de acordo com a Organização Mundial de Saúde, 20% a 50% dos casos de hepatite fulminante são causados pelo vírus da hepatite D. "Outro problema é que, normalmente, ela se torna crônica pelo resto da vida, podendo voltar quando se menos espera", afirma o gastroenterologista. O tratamento é o mesmo da hepatite B, apesar de ela ainda não possuir uma vacina específica. Mas, como está associada ao tipo B, mata-se "dois coelhos com uma cajadada só" ao se vacinar contra a hepatite B.

Hepatite E
Encontrado principalmente no México, Ásia e África, o vírus da hepatite E é um vírus bem pequeno. Contraído da mesma forma que o vírus da hepatite A, ele tem os mesmos sintomas e tratamento idêntico. "A diferença da hepatite E para a A é que este vírus é um pouco mais agressivo e tem uma ligeira predileção por mulheres", adverte o doutor Carlos Eduardo. De acordo com a OMS, cerca de 20% das mulheres grávidas que contraem a doença acabam falecendo devido a complicações. "Ainda não há vacina para este tipo de vírus", lamenta o médico.

Genericamente, há algumas precauções que reduzem sensivelmente as chances de contrair a doença:
Usar preservativos nas relações sexuais.
Não usar alicates de unhas ou barbeadores coletivos, já que são objetos de uso pessoal.
Observar, antes do tratamento dentário, se o seu dentista adota medidas de prevenção de DSTs (desinfecção das mãos, uso de luvas, esterilização dos materiais).
Em caso de cirurgias que necessitem da utilização de sangue e/ou transfusões, informe-se sobre a procedência do sangue. Procure saber se há um banco de sangue no hospital para maiores informações.
Trabalhadores em contato direto com esgoto, córrego e lixo devem utilizar proteção nas mãos (luvas) e nos pés (botas plásticas).
Procure o posto de saúde da sua cidade e tome as vacinas para hepatite A e B. Lembre-se que a vacina é uma opção a mais que você pode onça. 






Nenhum comentário:

Postar um comentário